segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Vem




A língua viaja vagarosa o mapa da memória do teu corpo como se o lugar do sagrado fosse a fenda lúcida do desejo, o refúgio das mãos em busca da luz cintilante das estrelas. Quando os dedos de tão leves na seda das coxas são uma trégua na noite dos prodígios, uma pausa na água das nascentes, uma lua vaga na desordem dos lençóis, então, sabes, o tempo não é tempo, é o arfar secreto do silêncio, um frémito de pássaros em suspenso, o mistério da brisa suave do levante. E a vaga navega lenta, e o mar é tanto, e o olhar tão limpo que o azul exultante da palavra é como a sílaba breve do despertar da pele no segredo do instante.

1 comentário:

  1. Uma canção para Portugal!

    https://www.youtube.com/watch?v=cAXP9gIBNr0

    ResponderEliminar